Boas Vindas!

Você está no Congresso Nacional!
Um lugar onde se junta pessoas dos mais diversos estilos, etnias, gostos e opiniões e ficam aqui, sem qualquer tipo de receio, levando a banca suas palavras e considerações sobre os mais diversos assuntos.
Vamos apresentar nossas idéias, debatê-las ao fundo e, se alguma coisa for útil, agregar às nossas, se não, engavetá-las!

sábado, 19 de janeiro de 2008

Auto-Afirmação

  • Ser nós mesmos é tomar decisões, não para agradar os outros que nos observam, mas porque estamos usando, consciente e responsavelmente, nossa capacidade de ser, sentir, pensar e agir.

  • Ser nós mesmos é eliminar os traços de dependência que nos atam às outras pessoas. Não nos esquecendo, porém, de respeitar-lhes a liberdade e a individualidade e de defender também a nossa, sem o medo de ficar só e desamparado.

  • Ser nós mesmos é viver na própria "simplicidade de ser", libertos da vaidosa e dissimulada auto-satisfação, que consiste em fazer gênero de "diferente" perante os outros, a fim de ostentar uma aparência de "personalidade marcante".

  • Ser nós mesmos é acreditar em nosso poder pessoal, elaborando um mapa para nossos objetivos e percorrendo os caminhos necessários para atingi-los
A vaidade é um desejo superlativo de chamar a atenção, ou a presunção de ser aplaudido e reverenciado perante os outros. É a ostentação dos que procuram elogios, ou a ilusão dos que querem ter êxito diante do mundo e não dentro de si mesmos. Não nos referimos ao esmero na maneira de andar, falar, vestir ou se enfeitar, saudáveis e naturais, mas ao estado íntimo do indivíduo vaidoso, ou seja, o que está por baixo do interesse dessa exibição e dessa necessidade de ser visto, a ponto de falsificar a si mesmo para chamar a atenção.


HAMMED em "AS DORES DA ALMA",
psicografia de Francisco do E.Santo Neto

5 comentários:

Nefelibata disse...

Fama é a vontade de se viver na consciência do "outro". Mas quem é este "outro"? O "outro" é a sociedade que institui padrões que as pessoas devem seguir para serem consideradas "legais" e, assim, conseguirem uma "boa fama". Quem não seguir estes padrões pode cair no contrário da "boa fama" que é a "má fama". A pessoa de "má fama" é inconveniente pois, com suas ações, contesta os padrões da sociedade. Portanto, poucos procuram a "má fama" e muitos a "boa fama". A "boa fama", por exemplo, pode fazer uma pessoa ser respeitada pela maioria. A "má fama", ao contrário, atrai o ódio e o desdém da maioria. Isso demonstra que as pessoas que procuram uma "boa fama" são aquelas que desejam seguir ao máximo as convenções sociais. Os que procuram uma "má fama" são, geralmente, pessoas que contestam a sociedade e lutam contra ela. Muitas pessoas que procuram a "boa fama" gastam muito dinheiro para impressionarem as pessoas comprando produtos caros que trazem status social. Já as pessoas que procuram uma "má fama" são, geralmente, contrárias ao consumismo e lutam contra ele.

Alfredo disse...

Gostei do texto, se refere muito bem ao comportamento de certas pessoas que se preocupam mais em ser famosos por serem diferentes do que em tentar ser alguém em harmonia consigo mesmo e, a partir daí, interagir com o mundo.

Discordo de você Nefelibata.

Penso que existem várias maneiras de uma pessoa ser possuir uma boa ou má fama. Sócrates, por exemplo, era absolutamente contra toda a ordem social estabelecida na Grécia e por isso tinha má fama, porém, figuras como Fernandinho Beira Mar também tem má fama mesmo não agindo necessariamente no sentido de subverter a ordem social. De maneira semelhante, ícones do capitalismo como o Silvio Santos tem uma certa boa fama, assim como
Che Guevara também tem uma boa fama, mesmo tendo lutado a vida inteira para mudar a ordem social existente.

Penso que existem diferentes maneiras de se ter boa ou má fama. No geral, a vida nunca é tão simples, dificilmente há apenas um caminho a se seguir para se atingir algo.

Darth Magnus disse...

Quando a pessoas faz coisas boas ou más e estas se tornam públicas, esta pessoa atrai a atenção para ela, de forma boa ou má, isso é natural. Dependendo de suas atitudes e do meio em que vivem, está poderá ser boa ou má, assim como poderá ser divergente entre as pessoas, o que é bem comum.

Mas o que o texto realmente debate é a busca desta atenção agindo de forma não natural. Ai, nesta situação, poucos a verão como uma coisa boa, pois tudo aquilo que é forçado torna-se desagradável.

Ter atitudes é uma coisa, ter atitudes apenas para chamar a atenção é outra. Assim como o texto bem apresenta, o que vale é manter a sua personalidade e respeitar as dos demais, mas isso raramente ocorre com aqueles que buscam a fama a qualquer custo.

Quantas vezes vemos pessoas que acabam por criar situações para ter a atenção sobre si e, mesmo que está seja beneéica de início, logo sua farsa é descoberta ou o mesma não consegue manter aquele arquétipo criado e passa a cair em controvérsias, então, aquela boa imagem criada sobre sí torna-se apenas uma má impressão.

Enfim, o principal a ser tirado deste texto é que devemos ser nós mesmos, originais ou não, mas felizes em essência, respeitando os demais para que eles sejam felizes em seus sonhos e em suas individualidades.

Pra mim, o mais importante não é ter os holofotes direcionados a mim, nunca foi. Sempre agi conforme meus interesses e concepções de certo e errado, buscando respeitar o espaço e opiniões dos demais. Escutando mais do que falando, para aproveitar os bons exemplos e aprender com eles, assim como tentar passar aquilo que pouco conheço a quem pedir. Buscando apresentar minhas opiniões e opiniões diferentes para que a pessoa faça seus próprios julgamentos.

Em suma, vivo a minha própria vida, com meus objetivos e sonhos. Se não estou agradando os demais, infelizmente não posso agradar a todos e nem tenho a atenção, mas também não que ninguém me siga ou compartilhe de meus sonhos por imposição. Como diria aquela boa música: "Viva e deixe viver"

Nefelibata disse...

"Viva e deixe viver"... que lindo e, ao mesmo tempo, que falso! Neste mundo mesquinho e medíocre em que vivemos o "viva e deixe viver" não é respeitado para milhões de pessoas de todo o mundo que são obrigadas, através de um sistema político-econômico que encoraja a indiferença e a inércia, a viverem na miséria e em guerras absurdas iniciadas, em muitos casos, por causas comerciais. Será que o Bush está seguindo a maravilhosa regra do "viva e deixe viver"? Será que os tiranos da história seguiam a regra do "viva e deixe viver"?

E o que dizer dos objetivos e sonhos? Será que esta linda filosofia de "que ninguém me siga ou compartilhe de meus sonhos por imposição" já foi um dia seguida na história? Esta linda frase deveria ser dita para outras pessoas, principalmente aquelas que exercem algum poder.

Já participei de muitos protestos e em todos eles eu vi pessoas (de todas as idades) que poderiam ser chamadas de "posers" por pessoas que seguem o PADRÃO. Ora, elas pintavam o rosto de vermelho para mostrar a sanguinolência do comércio de peles, invadiam sessões em câmaras municipais para proibirem rodeios, queimavam bonecos do tio sam para manifestarem ódio pelo capitalismo, levavam faixas com palavras fortes para pedirem salários melhores, vestiam roupas típicas da Palestina para mostrar indignação contra Israel.

Realmente, esses posers são muito chatos! Seria melhor que eles ficassem em casa jogando vídeo game!

Darth Magnus disse...

Como mencionei anteriormente, falo por mim.

Ainda mantenho minhas esperanças de que este mundo um dia seja melhor, em todos seus aspectos e, entendo que se não tivermos esta esperança em que os "srs. Bush" e seus sucessores um dia olharão para os outros como iguais, perderemos nossos objetivos e deixaremos de lutar nossas lutas diárias, sejam estas em seus protestos, em salas de aula, conversas informais ou simples gestos diários.

Entretanto, ainda discordo do fato que tudo deva se resolver em protestos. Isso é impossível! Muitas vezes, estes protestos, acabam por apenas criar um clima anti-protesto e anti-objetivos destes protestos, pois não são todos que compartilham da atitude e, principalmente a maioria está afundada em suas vidas e acha que não tem tempo para mais nada e tem que ficar presas no trânsito ou sem atendimento, por causa de protestos e greves.

Também sei que muitas vezes não adianta querer resolver na conversa, pois aqueles que detêm o poder muitas vezes preferem que tentemos desta forma, pois assim, sem metidas extremas, eles podem simplesmente ignorar nossas reinvidicações.

Acho que devemos sempre buscar o mais sensato. Ver aquilo que é a melhor maneira de se buscar seus sonhos e respeitar o dos demais, assim como seus costumes. Pois mais importante do que estarmos lutando por um mundo melhor, é ter sonhos para este mundo, pois sem termos estes sonhos, do que vale a luta???

Sobre "posers", não falo somente de estética, me refiro a pessoas que se fantasiam de uma personalidade criada artificialmente para manter um busca e acabam por perder sua própria personalidade, ficando presa nesta fantasia indefinitivamente, perdendo seus sonhos e metas e encarando os objetivos que a levaram a vestir aquela fantasia como uma luta diária sem fim.

Como um homem que em dado momento de sua vida tem que pegar em armas para lutar por sua liberdade, mas ele passa tanto tempo focado nesta luta, deixando de lado os prazeres e sonhos de sua vida, que quando ele vence a sua luta por liberdade não sabe o que fazer, pois desaprendeu a viver. Então ele só enxerga dois caminhos a seguir: iniciar uma nova revolução ou deixar de viver.