Boas Vindas!

Você está no Congresso Nacional!
Um lugar onde se junta pessoas dos mais diversos estilos, etnias, gostos e opiniões e ficam aqui, sem qualquer tipo de receio, levando a banca suas palavras e considerações sobre os mais diversos assuntos.
Vamos apresentar nossas idéias, debatê-las ao fundo e, se alguma coisa for útil, agregar às nossas, se não, engavetá-las!

terça-feira, 7 de abril de 2009

Não, não, não... mil vezes não!!!

Não posso deixar de postar aqui um texto sobre algo tão simples e banal que às vezes se torna tão complexo: o simples fato de dizer “não”.

[Do lat. non.]
Adv. 
1. Exprime negação. [O adv. não funciona muitas vezes como partícula de realce: & & ] 
S. m. 
2. Negativa; recusa: 2 

Sim, ou melhor, “não”. As pessoas não conseguem aceitar uma resposta negativa, ainda mais ela sendo um puro e simples “não”. É impressionante. Se você pergunta a uma pessoa algo praticamente impossível e ela responder “sim”, de acordo com seus desejos e anseios, tudo bem, mas basta um “não” e a conversa muda para um tom de ofensa, discussão e não aceitação. Não fomos educados a escutar um “não” como resposta. Preferimos mil vezes sermos enrolados a ter que acatar tal palavra amaldiçoada.

Vocês podem entender este texto apenas como um ensaio teórico, mas desafio-os a levá-lo a prática. Sim! Experimente começar a responder uns “não” às pessoas a sua volta. Geralmente a primeira reação é um “Por quê?” com cara de indignação. Ninguém pergunta o porquê do “sim” benéfico, mas o “não”...

E isso não é exclusividade de uma classe social, ou de um tipo específico de classe profissional, mas uma reação normal que parece estar embrenhada em nosso DNA. Se um pedinte chega em ti e pede uma esmola e você responde que “não tem” (mas tendo e ele sabendo que você tem), sem problemas, mas se dizer apenas um “não”, pronto... já se torna um maldito antipático berço de ouro que não compreende a dura vida daqueles menos afortunados.

E se o “não” for direcionado àquele seu chefe todo cheio de pompa, classe e palavreado doce, pronto, o clima desfavorável está criado e com certeza ele levará tal resposta para o lado pessoal. E não falo de um “não” preterindo um trabalho ou favor, mas um “não” apenas demonstrando sua posição sobre uma opinião dele.

Acho que agora entendo o Caetano Veloso, o qual faz meia hora de discurso positivo para no final de sua explanação, meter um tímido “não” a resposta. Esta é a tática perfeita. Covarde, mas perfeita a quem não quer desagradar ninguém. Os “sociavelmente apresentáveis”. Mas não! Este não sou eu, e como não faço parte deste grupo, continuarei seguindo minha estrada de pedras e distribuindo meus “não” sem explicação, pois esta é a minha vontade, esta é a minha resposta.

Só preciso ficar “esperto” para que nenhum revoltado pegue uma destas pedras da estrada e atirar em mim pelas costas... 

3 comentários:

Lucas disse...

Vendo isso de uma forma mais ampla, mas nao fugindo do tema, creio que as pessoas agem assim com relação a quase tudo.

Penso que uma resposta verdadeira, no qual o "não" muitas vezes se encaixa, causa um certo mal estar. Por mais que muitos digam que gostam de ouvir a verdade, muitos destes não estão preparados pra isso.

Preferem, como voce mesmo disse, serem enrolados com uma resposta um pouco mais "perfumada", mesmo que o significado final não se altere.

Wagnelson da Silva disse...

Pois é. Dizer "não" muitas vezes é doloroso, chegando a causar trauma nas pessoas que anseiam por um "sim", rompendo, inclusive, amizades.

Definitivamente, não fomos educados para ouvir o não, digo mais, muitas vezes não somos capazes de respeitar a opinião daquele amaldiçoado ser que nos disse "não".

Poderia dizer que existem várias maneiras de se dizer "não" a qualquer pedido, mas mesmo aquele com jeitinho, diferente daquele asseverado muitas vezes pelo postador (rsrs), nos causa problemas no dia a dia.

Me considero uma pessoa com certa convicção nas palavras, defendendo piamente meu ponto de vista para qualquer um que esteja disposto a isto. Porém, muitas vezes é dificil manter a postura e defender minha vontade, o que me causa um certo arrependimento pós "sim".

Pra mim, a pior que ouvir um não é conviver com um "sim" viciado de "não".

Dirty Evil Bastard disse...

Eu nao acho que o "nao" injustificado seja uma boa coisa. Pelo menos eu nao me vejo em situacoes em que nao possa explicar a razao de um "nao" e o faco seguindo o principio de tratar os demais como espero ser tratado.
Dizer "nao" ou receber um "nao" eh perfeitamente natural, mas normalmente quando se pede algo a alguem eh porque se mantem uma determinada expectativa em relacao a essa pessoa (seja um colega de trabalho, um amigo, etc.).
Se eu soubesse que receberia um "nao" provavelmente nao pediria, e acho que isso explica bastante.
Dizer nao eh perfeitamente natural, e receber um tambem. Mas justificar um "nao", ainda que brevemente, nao faz mal algum.
Eu falei e falei, e o que eu quis dizer eh "nao" ao seu post! ;-)